17.03.14

LDN: Hampton Court

londonSkyline

Depois de um ano e meio morando aqui, aprendi a olhar diariamente a previsão do tempo e SEMPRE programar alguma coisa quando os finais de semana prometem ser de sol. Por isso, no domingo passado, depois de seis meses na base do casaco, aproveitamos o clima de primavera (20 graus \o/ da mais pura felicidade) e fomos para Hampton Court, um dos palácios reais. Hampton Court 2

O Palácio: foi construído há cerca de 500 anos e por lá moraram o Rei Henrique VIII e todas as suas esposas (fãs da série The Tudors não podem deixar de conhecer!). Além do palácio em si, outras atrações do lugar fazem valer a visita: achei o jardim em estilo francês bem bonito e o labirinto natural é bacana também (é o mais antigo da Grã-Bretanha). Ah, dizem que o castelo é mal assombrado e que o Rei Henrique VIII e a rainha Joana Seymor ainda dão pinta por lá rs, mas, thank God, não vi nada de anormal.Hampton Court 8 Hampton Court 10 Hampton Court 7 Hampton Court 6 Hampton Court 4 Hampton Court 3 Hampton Court 15 Hampton Court 13 Hampton Court 14 Hampton Court 16

Como Chegar: um ponto super positivo desse palácio é que o acesso é muito fácil. Pegamos um trem em Waterloo e depois de quarenta minutinhos já estávamos na estação Hampton Court, que fica ao lado do palácio. Os trens saem de Waterloo a cada meia hora.

Preços: a passagem de trem até lá (ida e volta) fica em mais ou menos 10 libras e a entrada no palácio custa 18 libras.

Onde comer: saímos de lá morrendo de fome e aproveitamos para almoçar num gastropub que ficava praticamente em frente ao palácio, o The Mute Swan. Comida bem gostosa e preço super ok. Uma amiga minha também recomendou o The Albany, mas esse vai ficar para a próxima!Hampton Court 17 Hampton Court 18 Hampton Court 19 Hampton Court 20 Hampton Court 21

24.02.14

LDN: Roka e Yashin

No final do ano passado, acabei conhecendo vários restaurantes japoneses aqui em Londres e, como o pessoal que vem para cá sempre me pede indicação de japas, aqui vão algumas infos sobre os meus dois favoritos: o Yashin e o Roka.

O Yashin fica numa travessa da High Street Kensington e conhecemos através de um amigo nosso que ama comida japonesa. Eu nunca tinha ouvido falar, mas, depois, comentando com algumas pessoas, percebi que ele é bastante conhecido.

O restaurante é bem pequeno e tem aquele esquema de sushi bar (cadeiras no balcão). Olhando de fora, você não dá muita coisa para ele, principalmente porque ele fica numa rua super residencial, mas a comida é maravilhosa. Uma curiosidade sobre o Yashin é que eles não servem nada com shoyo! Inclusive, tem um letreiro luminosos atrás do balcão com a mensagem “without soy sauce”. Óbviamente, se você pedir, o garçom traz, mas a ideia é não usar. Para ser sincera, eu não senti falta do shoyo. Tudo estava super saboroso e o que eu li é que eles trabalharam elementos diferentes para criar sabores em todos os pratos. As porções são pequenas, por isso comemos várias coisas aleatórias que o garçom que nos atendeu foi sugerindo.

O minha única ressalva sobre esse restaurante é que ele fecha a cozinha às 22:00 horas, mesmo de sextas-feiras e finais de semana. Como nós fizemos reserva para às 21:00, tivemos que comer meio rápido e nem deu tempo de pedirmos sobremesa :(yashin sushi london kensingtonOutro que eu amei foi o Roka. Ele é bem diferente do Yashin… É mais badaladinho, super bonito por dentro, com musiquinha de fundo, enfim, é um outro tipo de japonês. Quando jantei no Roka pela primeira vez, tinha ido comemorar uma data especial, então eu e o marido nos demos ao luxo de pegar o menu degustação (13 pratos hehehe), que custa umas 70 libras. É caro? Sim, mas vale a pena, principalmente considerando que era uma comemoração e que vem uma super variedade de pratos, inclusive sobremesas maravilhosas. Das outras vezes, pegamos o menu normal e aí saiu beeem mais barato. roka london charlotte st

Uma curiosidade sobre o Roka: ele é do mesmo grupo do super famoso Zuma e, inclusive, acho o menu dos dois meio parecidos.

Ah, como quase todos os restaurantes por aqui, melhor não arriscar ir sem reserva!

04.02.14

Travel Tips: Milão

Como comentei aqui no blog, no último final de semana de janeiro eu fiz mais uma viagem. Dessa vez, fomos para Milão. Foi minha primeira vez na Itália e, apesar de todo mundo dizer que Milão em si não é uma cidade super turística (muita gente me disse que não gostou de lá), eu estava super empolgada, principalmente em relação aos restaurantes #gordinhafeelings.DSC_1146Neste primeiro post, vou falar um pouco sobre o que fizemos no final de semana e o que achamos da cidade. Num segundo post, vou falar sobre os restaurantes que conhecemos e também sobre alguns outros que nos indicaram.

Como Chegar: eu sempre prefiro viajar de trem, mas, saindo de Londres, o jeito mais fácil de ir para Milão (e para qualquer cidade na Itália) é de avião. Tem muitos vôos saindo daqui e indo para lá diariamente e por isso esse é um trecho que acaba sendo mais barato do que a média. Chegando em Milão, um amigo nosso sugeriu que pegássemos o trem no aeroporto para irmos para o centro da cidade. A aeroporto é bem afastado e por isso um táxi acaba saindo super caro (100 Euros, preço tabelado), enquanto o trem custa 10 Euros por pessoa e vai até a estação Cadorna (super central).

Onde Ficar: Fiz uma pesquisa no booking.com e gostei do Uptown Palace. Bonito pelas fotos, estava super bem avaliado e com uma tarifa ótima para o final de semana em que a gente ia para lá. Ficamos super satisfeitos com o hotel. O atendimento foi muuuito bom, o quarto era novinho, a localização é ótima e o café da manhã era uma delícia.

O Que Fazer: 

Dia 1 – Chegamos em Milão na sexta à noite, então acabamos aproveitando apenas o sábado e o domingo. No sábado de manhã, ficamos andando pela região do Quadrilátero da Moda, formado pelas ruas Corso di Porta Venezia, Via Manzoni, Via Montenapoleone e Via della Spiga (é uma região super high-end, mas vale a pena passear por lá mesmo não querendo comprar nada, pois é uma área linda e super charmosa… E olhar não custa nada, né?). A tarde, fomos conhecer a Duomo, uma das catedrais góticas mais bonitas e famosas do mundo. Fiquei impressionada com o tamanho da igreja! Me falaram que o passeio pelo telhado vale super a pena e que a vista é linda, mas como cheguei lá no final do dia já não dava mais para subir, então conhecemos apenas o interior da igreja. Saindo de lá, passamos pela Galeria Vittorio Emanuele e pelo Teatro alla Scala (ambos super próximos da Duomo). Depois disso, olhamos o mapa da cidade e vimos que estávamos super perto do Castelo Sforzesco, então fomos andando até lá para conhecer. Para ser sincera, eu nem sabia que Milão tinha esse castelo no meio da cidade e ele é super bonito! Foi uma surpresa bem boa. Depois de tantas andanças, voltamos para o hotel e saímos para jantar.DSC_1148 DSC_1159 DSC_1184 DSC_1188 DSC_1193

Dia 2 – No domingo, acordamos meio tarde, então o dia acabou não rendendo como eu imaginava, mas, mesmo assim, deu pra conhecer bastante coisa. Eu tinha pensando em almoçar no Paper Moon, restaurante indicado por uma amiga minha, mas ele não abre de domingo, por isso acabamos indo para um outro lugar que ficava numa rua chamada Ripa de Porta Ticinese. No final, acabamos dando sorte, pois essa rua fica em um canal super charmoso da cidade, onde acontece uma feirinha de antiguidades sempre no último domingo do mês, que foi bem o dia em que fomos para lá. Adorei esse passeio! Mesmo sem a feirinha, acho que vale a pena conhecer, pois é uma rua bonita, com muitos restaurantes e bares legais. Depois do almoço, fomos conhecer a loja 10 Corso Como, que é super famosa e fica mais ao norte da cidade. A loja é incrível por dentro, moderna e bem diferente de todas as lojas que eu conhecia. Vale a pena ir até lá pela região também, que parece ser uma área mais nova da cidade. De lá, voltamos para o hotel e partimos para o aeroporto #backtorealityDSC_1197 DSC_1215 DSC_1216 DSC_1220 DSC_1225 DSC_1227 DSC_1229 DSC_1231 DSC_1232 DSC_1234 DSC_1238

Concluindo, gostei bastante de Milão! Apesar de ser uma cidade ótima para compras e restaurantes, achei que ela tem bastante coisa turística para fazer (mais do que eu esperava). Acabamos não visitando nenhum museu, mas me falaram muito bem do Del Novecento, que fica ao lado da Duomo. Ah, nas minhas pesquisas pela net antes de ir para lá, encontrei esse blog chamado Milão nas Mãos e ele foi bem útil. É escrito por uma brasileira que mora lá e tem dicas ótimas. A Ná, minha amiga que foi para lá no final do ano passado, também escreveu um post ótimo, com várias dicas da cidade que vocês podem conferir AQUI.